Meus amigos

Bebês com nomes muito polêmicos .

Antigamente, as pérolas do cartório eram bem mais comuns e inclusive quase todos os brasileiros acabaram perdendo a grafia original dos sobrenomes estrangeiros. Hoje em dia, é consenso que os pais sejam orientados pelo próprio cartório a não colocar nomes muito excêntricos nos pimpolhos - o que também pode gerar polêmica dependendo da petulância dos pais em relação a nomes bem peculiares... Acompanhe alguns casos de pais "originais demais" no Brasil e no mundo. =)


@ pode ser um nome? Seria considerado internetês?


A notícia iluminou o quadro de curiosidades bizarras da agência de notícias Reuters, no mês passado. Um casal chinês tentou dar o nome de @ ("arroba", em português) para seu bebê. Alegou que o sinal que intercala endereços de e-mail, quando traduzido para o chinês, tem o mesmo som dos ideogramas em mandarim para a expressão "eu o amo". O nome da criança, portanto, seria uma homenagem ao amor que os pais têm por ela.
Os chineses pronunciam o símbolo @ a partir do termo em inglês (at). Os caracteres chineses para representar at, quando lidos, lembram a pronúncia ai ta (amo). As autoridades divulgaram o caso com alarde, para ilustrar o impacto da internet sobre seu idioma. No início do ano, haviam vetado nomes com grafia arábica ou substantivos estrangeiros. Na China, 60 milhões de pessoas têm nomes com caracteres raros, não reconhecidos pelos teclados de computadores do país, como o ex-premier Zhu Rongji, cujo sobrenome tem o ideograma rong, em desuso por lá.

Esse é pra valer! Sério, é o Super Homem...

Pat e Sheena, um casal de neozelandeses, resolveram batizar seu filho de 4Real após vê-lo pela primeira vez em um exame de ultrassom. Segundo os pais, foi nesse momento que eles perceberam que o bebê era for real ("pra valer" em português). O governo, claro, impediu o registro e os pais escolheram outro nome: "Superman" ("Super Homem") - mas este seria usado apenas no registro, os pais iriam continuar se referindo à criança como 4Real. A família deu o maior apoio, e disse que se alguém pode ter o nome John Williams III, por exemplo, poderia ser chamado também de 4Real. A Nova Zelândia não permite nomes começados por números.

Lehgolaz, o bebê brasileiro com nome élfico

Fãs da trilogia "O Senhor dos Anéis", de J. R. R. Tolkien, os estudantes Arielly Rodrigues, 18, e Cristiano Costa, 23, conseguiram, enfim, homenagear a saga, dando ao filho o nome do elfo Lehgolaz.
Os pais, que passaram dois meses tentando oficializar o nome, só conseguiram registrar o bebê, de três meses de idade, nesta semana, após a juíza da Vara de Registro Civil de Castro (PR), Luciane Pereira Ramos, dar uma autorização. Lehgolaz (pronuncia-se Légolas) foi registrado terça-feira no cartório da cidade. Antes, o cartório havia orientado os pais a refletir sobre o nome. Segundo o oficial de registro Robert Jonczyk, o objetivo era "proteger a criança de exposição ao ridículo e à chacota no futuro''. Foi o cartório que apresentou à mãe o requerimento ao juiz.
''Agora já posso pensar em batizar meu filho'', diz Arielly. A mãe não segue uma religião. Já o marido é católico. Até o início desta semana, o nome Lehgolaz só constava da carteira de vacinação.
Arielly se diz ''feliz'' com o reconhecimento da juíza, mas se queixa do cartório. ''Não precisava ter acontecido tudo isso. O nome não é comum, mas não tem nada que possa expor meu filho ao ridículo. Tenho certeza de que isso nunca acontecerá.''
Jonczyk afirma que o pedido de reflexão dos pais é uma situação corriqueira e que não significa uma recusa. A lei 6.015, de 1973, diz que ''os oficiais do registro civil não registrarão prenomes suscetíveis de expor ao ridículo os seus portadores''. Ela recomenda ainda que os conflitos sejam dirimidos na Justiça. Se depender do casal, haverá outro debate em um futuro próximo. Arielly diz que ainda não sabe quando, mas que, se tiver uma filha, ela vai se chamar Aicha (nome da terceira esposa do profeta Maomé). ''Vi em um livrinho e achei lindo.''

Detalhe: o nome "oficial" do elfo de J.R.R. Tolkien é Legolas, e a pronúncia, "Lêgolas".

Nenhum comentário:

Postar um comentário