Meus amigos

Meu blog não está com VIRUS...

Meu blog não está com vírus !!

Na verdade o vírus está em um dos links de nossa lista de divulgação.


Não se preocupem o vírus não está em nosso blog!
 Este recado é somente um ALERTA!

Já estamos resolvendo o problema.OK!
quando tentei acessar outros blogs e descobrí que a “coisa” não era só comigo..
ufffaaaa! 90% dos blogs estão com o mesmo problema.

O que fazer então?
A Elaine Gaspareto fez um passo a passo para ajudar.
Se quiser saber mais clique aqui
http://www.elainegaspareto.com/2011/09/como-resolver-o-problema-do-malware-no.html
Agora é aguardar a boa vontade do blogger consertar isso...




Como colocar papel de parede no Windows 7?

 Atualmente, a maioria das pessoas que me procuram querendo aula, acabaram de adquirir um computador. Mais precisamente, laptops.

Por ser novo, normalmente vem instalado nele o Windows 7 starter edition, que é versão básica da microsoft para que seja de distribuição gratuita nos novos computadores.

Uma das coisas que as pessoas usuárias dessas versões reclama é o fato de não conseguir colocar um papel de parece (wallpaper) no fundo da tela.

E de fato esse window não permite, acreditam?!!!

Mas, como tudo na vida tem um jeitinho (rs), segue aqui a dica de como burlar este pequeno defeito.

Primeiro, instale o programa Oceanis Change Background.

Não se preocupe se aparecer uma mensagem do windows dizendo que o programa pode causar danos e ser perigoso…rs… é só a maneira do windows reclamar que estamos burlando sua proibição.. hehe.

Reinicie o computador.

Agora acesse o programa.



Clique no botão navegar. Uma janela abrirá mostrando seus arquivos do computador.



Vá até a pasta onde você salva suas imagens (por exemplo, dentro de biblioteca – imagens)

Pronto. Basta você selecionar a imagem que deseja de plano de fundo e clicar em “salvar alteração” ao final da página.



Creditos: http://www.tecnologiaoutonal.com.br

Evolução do ensino de matemática desde 1950


1. Ensino de matemática em 1950:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. 
O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda. 
Qual é o lucro? 

2. Ensino de matemática em 1970:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda ou R$ 80,00. Qual é o lucro?


3. Ensino de matemática em 1980:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Qual é o lucro?


4. Ensino de matemática em 1990:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Escolha a resposta certa, que indica o lucro:
(  )R$ 20,00 (  )R$ 40,00 (  )R$ 60,00 (  )R$ 80,00 (  )R$ 100,00

5. Ensino de matemática em 2000:

Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. 
O custo de produção é R$ 80,00.
O lucro é de R$ 20,00.
Está certo?
(  )SIM (  ) NÃO


6. Ensino de matemática em 2009:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler, coloque um X no R$ 20,00.
(  )R$ 20,00 (  )R$ 40,00 (  )R$ 60,00 (  )R$ 80,00 (  )R$ 100,00


7. Em 2010 ...:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler, coloque um X no R$ 20,00.
(Se você é afro descendente, especial, indígena ou de qualquer outra minoria social não precisa responder pois é proibido reprová-los).
(  )R$ 20,00 (  )R$ 40,00 (  )R$ 60,00 (  )R$ 80,00 (  )R$ 100,00
 
E se um moleque resolver pichar a sala de aula e a professora fizer com que ele pinte a sala novamente, os pais ficam enfurecidos pois a professora provocou traumas na criança.
Também jamais levante a voz com um aluno, pois isso representa voltar ao passado repressor (Ou pior: O aprendiz de meliante pode estar armado)

- Essa pergunta foi vencedora em um congresso sobre vida sustentável:
Todo mundo está 'pensando'
em deixar um planeta melhor para nossos filhos...
Quando é que se 'pensará'
em deixar filhos melhores para o nosso planeta?" 




Seu Pendrive tem Blutufe?



Estorinha bem bolada, mostrando a rapidez da modernidade, 
difícil, quase impossível, para os madurinhas e madurinhos acompanharem! 
Não deixem de ler! 

Haroldo tirou o papel do bolso, conferiu a anotação e perguntou à balconista: 
Moça, vocês têm pendrive? 

Temos, sim. 
O que é pendrive? Pode me esclarecer? Meu filho me pediu para comprar um. 
Bom, pendrive é um aparelho em que o senhor salva tudo o que tem no computador. 
Ah, É como um disquete... 
Não. No pendrive o senhor pode salvar textos, imagens e filmes. O disquete, que nem existe mais, só salva texto. 
Ah, tá bom. Vou querer. 
Quantos gigas? 
Hein? 
De quantos gigas o senhor quer o seu pendrive? 
O que é giga? 
É o tamanho do pen. 
Ah, tá. Eu queria um pequeno, que dê para levar no bolso sem fazer muito volume. 
Todos são pequenos, senhor. O tamanho, aí, é a quantidade de coisas que ele pode arquivar. 
Ah, tá. E quantos tamanhos têm?  Dois, quatro, oito, dezesseis gigas...  Hmmmm, meu filho não falou quantos gigas queria. Neste caso, o melhor é levar o maior.  Sim, eu acho que sim. Quanto custa? Bem, o preço varia conforme o tamanho. A sua entrada é USB?  Como? 
É que para acoplar o pen no computador, tem que ter uma entrada compatível. 

USB não é a potência do ar condicionado? 
Não, aquilo é BTU. 
Ah! É isso mesmo. Confundi as iniciais. Bom, sei lá se a minha entrada é USB. 
USB é assim ó: com dentinhos que se encaixam nos buraquinhos do computador. O outro tipo é este, o P2, mais tradicional, o senhor só tem que enfiar o pino no buraco redondo. O seu computador é novo ou velho? Se for novo é USB, se for velho é P2. 
Acho que o meu tem uns dois anos. O anterior ainda era com disquete. Lembra do disquete? Quadradinho, preto, fácil de carregar, quase não tinha peso. O meu primeiro computador funcionava com aqueles disquetes do tipo bolacha, grandões e quadrados. Era bem mais simples, não acha? Os de hoje nem têm mais entrada para disquete. Ou é CD ou pendrive. 
Que coisa! Bem, não sei o que fazer. Acho melhor perguntar ao meu filho. 
Quem sabe o senhor liga pra ele? 
Bem que eu gostaria, mas meu celular é novo, tem tanta coisa nele que ainda nem aprendi a discar. 
Deixa eu ver. Poxa, um Smarthphone! Este é bom mesmo! Tem Bluetooth, woofle, brufle, trifle, banda larga, teclado touchpad, câmera fotográfica, flash, filmadora, radio AM/FM, TV digital, dá pra mandar e receber e-mail, torpedo direcional, micro-ondas e conexão wireless....
Blu... Blu... Blutufe? E micro-ondas? Dá prá cozinhar com ele? 
Não senhor. Assim o senhor me faz rir. É que ele funciona no sub-padrão, por isso é muito mais rápido. 
Pra que serve esse tal de blutufe? 

É para um celular comunicar com outro, sem fio. 

Que maravilha! Essa é uma grande novidade! Mas os celulares já não se comunicam com os outros sem usar fio? Nunca precisei fio para ligar para outro celular. Fio em celular, que eu saiba, é apenas para carregar a bateria... 
Não, já vi que o senhor não entende nada, mesmo. Com o Bluetooth o senhor passa os dados do seu celular para outro, sem usar fio. Lista de telefones, por exemplo. 
Ah, e antes precisava fio? 
Não, tinha que trocar o chip. 
Hein? Ah, sim, o chip. E hoje não precisa mais chip... 
Precisa, sim, mas o Bluetooth é bem melhor. 
Legal esse negócio do chip. O meu celular tem chip? 
Momentinho... Deixa eu ver... Sim, tem chip. 
E faço o quê, com o chip? 
Se o senhor quiser trocar de operadora, portabilidade, o senhor sabe. 
Sei, sim, portabilidade, não é? Claro que sei. Não ia saber uma coisa dessas, tão simples? Imagino, então que para ligar tudo isso, no meu celular, depois de fazer um curso de dois meses, eu só preciso clicar nuns duzentos botões... 
Nããão! É tudo muito simples, o senhor logo apreende. Quer ligar para o seu filho? Anote aqui o número dele. Isso. Agora é só teclar, um momentinho, e apertar no botão verde... pronto, está chamando. 
Haroldo segura o celular com a ponta dos dedos, temendo ser levado pelos ares, para um outro planeta: Oi filhão, é o papai. Sim. Me diz, filho, o seu pen drive é de quantos... Como é mesmo o nome? Ah, obrigado, quantos gigas? Quatro gigas está bom? Ótimo. E tem outra coisa, o que era mesmo? Nossa conexão é USB? É? Que loucura.   Então tá, filho, papai está comprando o teu pen drive. De noite eu levo para casa.  Que idade tem seu filho?  Vai fazer dez em março.  Que gracinha...  É isso moça, vou levar um de quatro gigas, com conexão USB.  Certo, senhor. Quer para presente? 

Mais tarde, no escritório, examinou o pendrive, um minúsculo objeto, menor do que um isqueiro, capaz de gravar filmes! Onde iremos parar? Olha, com receio, para o celular sobre a mesa. "Máquina infernal", pensa. Tudo o que ele quer é um telefone, para discar e receber chamadas. E tem, nas mãos, um equipamento sofisticado, tão complexo que ninguém que não seja especialista ou tenha a infelicidade de ter mais de quarenta, saberá compreender. 

Em casa, ele entrega o pen drive ao filho e pede para ver como funciona. O garoto insere o aparelho e na tela abre-se uma janela. Em seguida, com o mouse, abre uma página da internet, em inglês. Seleciona umas palavras e um 'havy metal' infernal invade o quarto e os ouvidos de Haroldo. Um outro clique e, quando a música termina, o garoto diz: 
-Pronto, pai, baixei a música. Agora eu levo o pendrive para qualquer lugar e onde tiver uma entrada USB eu posso ouvir a música. No meu celular, por exemplo.


Teu celular tem entrada USB?  É lógico. O teu também tem.  É? Quer dizer que eu posso gravar músicas num pen drive e ouvir pelo celular?  Se o senhor não quiser baixar direto da internet...  Naquela noite, antes de dormir, deu um beijo em Clarinha e disse:  Sabe que eu tenho Blutufe?  Como é que é?  Bluetufe. Não vai me dizer que não sabe o que é?  Não enche, Haroldo, deixa eu dormir.  Meu bem, lembra como era boa a vida, quando telefone era telefone, gravador era gravador, toca-discos tocava discos e a gente só tinha que apertar um botão, para as coisas funcionarem?  Claro que lembro, Haroldo. Hoje é bem melhor, né?  Várias coisas numa só, até Bluetufe você tem. E conexão USB também.  Que ótimo, Haroldo, meus parabéns.  Clarinha, com tanta tecnologia a gente envelhece cada vez mais rápido. Fico doente de pensar em quanta coisa existe, por aí, que nunca vou usar.  Ué? Por quê?  Porque eu recém tinha aprendido a usar computador e celular e tudo o que sei já está superado. 
Por falar nisso temos que trocar nossa televisão. 
Ué? A nossa estragou? 
Não. Mas a nossa não tem HD, tecla SAP, slowmotion e reset. 
Tudo isso? 
Tudo. 
A nova vai ter blutufe?
Boa noite, Haroldo, vai dormir que eu não agüento mais...

(o autor é desconhecido, mas pode ser algum de nós, ou alguém, 
que nasceu nos anos 40,50, 60,70, 80, até nos 90, mas,
 de qualquer maneira e uma boa aula ! ! !)





Dicas para criar senhas seguras

Por mais incômodo que seja utilizar senhas, ainda não existe recurso que seja ao mesmo tempo melhor, mais confiável e com maior viabilidade para que as pessoas possam proteger seus dados ou seu patrimônio. Nos dias atuais, todos nós precisamos decorar dezenas de senhas: para uso no banco, para acesso ao e-mail, para identificação em uma rede social, para ativação do alarme de casa, etc. O problema é que de nada adianta criar senhas se elas podem ser descobertas facilmente ou se você tiver dificuldades para decorá-las ou protegê-las. Este artigo foi criado para te ajudar a lidar com isso. Você verá dicas para criar senhas seguras, conhecerá macetes para protegê-las, enfim, receberá orientações sobre o que fazer e o que não fazer com elas. Vamos lá?

Parte 1 - como NÃO criar senhas

1 - Não crie senhas baseadas em sequências

Quando um indivíduo mal-intencionado quer descobrir a senha de alguém, sabe o que geralmente tenta primeiro? Sequências como 123456, abcdef, 1020304050, qwerty (sequência do teclado), entre outros. Senhas sequenciais podem ser decoradas facilmente, por outro lado, podem ser descobertas com poucas tentativas. Portanto, evite-as. Embora possa parecer uma orientação óbvia, muitos problemas de segurança em empresas e em serviços da internet ocorrem pelo uso de senhas desse tipo. Elas podem ser descobertas com tanta facilidade que é cada vez mais comum mecanismos que impedem o uso de sequências quando o usuário vai criar uma senha.

2 - Não use datas especiais, número da placa do carro, nomes e afins

Muita gente utiliza dias especiais, como data de aniversário de um parente ou data de casamento, como senha. De maneira semelhante, há quem utilize o número da placa do carro, o número de sua residência, o número de seu telefone, o número de algum documento, o nome de um filho, o seu sobrenome invertido, entre outros. Essa prática é mais segura que o uso de sequências, por outro lado, uma pessoa mal-intencionada pode descobrir que uma data significa muito para você e levar isso em consideração na hora de tentar descobrir a sua senha. Além disso, alguém pode ver você consultando um documento antes de digitar o seu código. Portanto, evitar o uso dessas informações é uma maneira eficiente de reforçar a sua segurança.

3 - Evite utilizar senhas relacionadas aos seus gostos

Você gosta de futebol e é fanático por um time? Evite utilizar o nome do clube como senha. Você é fã declarado de um grupo musical? Evite utilizar o nome da banda ou de seus músicos como senha. Você adora os livros de um determinado escritor? Evite utilizar o nome dele ou de personagens de suas obras como senha. Quando alguém gosta muito de alguma coisa, geralmente deixa isso claro para todos ao seu redor. Logo, as chances de uma pessoa assim criar uma senha com base em seus gostos são grandes, e um indivíduo mal-intencionado sabe disso.

4 - Não utilize palavras que estão ao seu redor para criar senhas

A marca do relógio na parede do escritório, o modelo do monitor de vídeo em sua mesa, o nome da loja que você pode ver quando olha pela janela, enfim, qualquer nome ao seu redor pode parecer uma boa ideia para uma senha, especialmente quando se trata de uma termo longo e difícil de ser assimilado na primeira tentativa. O problema é que se você olhar para algum desses nomes na hora de digitar uma senha, alguém próximo pode perceber. Portanto, evite usar como senhas termos que são facilmente visíveis em seu ambiente.

5 - Não crie senhas parecidas com as anteriores

Muitos sistemas exigem ou recomendam a troca periódica de senhas. Ao fazer isso, tome o cuidado de não utilizar senha semelhantes às anteriores (que apenas diferem por um ou outro caractere, por exemplo) ou mesmo senhas que já tenham sido utilizadas.

Parte 2: como criar senhas seguras

1 - Misture letras, símbolos especiais e números

Sempre que possível, crie senhas que misturem letras, símbolos especiais e números, pois isso dificulta bastante sua descoberta. Para facilitar a decoração, você pode utilizar uma palavra como base, mas substituir alguns de seus caracteres. Por exemplo, em vez de utilizar infowester como senha, utilize !nf0we$t3r. Repare que a palavra continuará fazendo sentido para você e que os caracteres substitutos podem ser decorados sem muito esforço, ao mesmo tempo em que dificultam a vida de quem tentar descobrir a sua senha.

2 - Use letras maiúsculas e minúsculas

Alguns mecanismos de autenticação são "case sensitive", ou seja, tratam letras maiúsculas e minúsculas como caracteres distintos. Acredite, senhas que misturam essas duas características são mais seguras. E você pode explorar essa dica de várias maneiras, por exemplo: em vez de colocar a primeira letra em maiúscula, como fazemos com nomes, coloque a segunda ou a terceira. Ou então você pode fazer com que todas as consoantes em uma senha estejam em letras maiúsculas. Se combinar essa orientação com a dica anterior (misturar letras, símbolos especiais e números), você criará uma senha ainda mais segura.

3 - Use uma quantidade de caracteres superior ao recomendado

Cada caractere que você adiciona em sua senha torna a sua descoberta mais difícil, inclusive para programas criados especialmente para essa finalidade. Assim sendo, ao criar uma senha, sempre utilize uma quantidade de caracteres superior ao mínimo exigido pelo sistema. De modo geral, o ideal é contar com senhas que utilizem, ao menos, 8 caracteres.

4 - Crie senhas de forma que você utilize as duas mãos para digitar

Essa dica pode parecer estranha, mas tem sua utilidade em determinadas situações. Se você estiver, por exemplo, utilizando um computador da faculdade, alguém pode tentar decorar a sua senha apenas te observando enquanto você digita. Na verdade, ter algum sucesso com essa prática é muito difícil, mas não é impossível. Por isso, procure utilizar senhas compostas por letras bem distribuídas pelo teclado, de forma que você tenha que utilizar as duas mãos para digitá-la, pois isso dificulta ainda mais a visualização de um "espião". Por exemplo, se você utiliza como senha a combinação 25catarata, poderá digitá-la apenas com a mão esquerda. No entanto, se você utilizar 20cogumelo terá que digitar usando as duas mãos. Com isso, a pessoa que estiver olhando disfarçadamente para o seu teclado terá mais dificuldade em identificar sua senha do se você estivesse utilizando uma mão só para digitar.
Note que a senha 25catarata pode ser digitada apenas com a mão esquerda
Note que a senha "25catarata" pode ser digitada apenas com a mão esquerda

5 - Use regras para criar suas senhas e não esquecê-las

Essa talvez seja a dica mais interessante deste artigo: é recomendável que você utilize uma senha diferente para cada serviço, isto é, que não utilize a mesma senha para vários fins. O problema disso é que você se vê obrigado a decorar uma variedade grande de senhas. Mas há uma forma de se fazer isso de maneira fácil e eficiente: criando senhas com base em regras. Dessa forma, você só precisa lembrar das regras para saber qual senha corresponde a cada serviço. Vamos criar um conjunto de regras para facilitar a compreensão. O que é apresentado a seguir é apenas um exemplo. A ideia é a de que você explore sua criatividade e crie suas próprias regras.
Vamos supor que vamos criar senhas para serem utilizadas apenas em serviços da internet. Nossas regras serão as seguintes:
- Regra 1: utilizar sempre a primeira e a última letra do nome do serviço para começar a senha;
- Regra 2: se a quantidade de letras que compõe o nome do serviço for par, colocar na sequência o número 2. Colocar o número 3 se for ímpar;
- Regra 3: se o nome do serviço terminar com vogal, escrever a palavra "Parqui", com 'p' maiúsculo. Se terminar com consoante, escrever a palavra "Fresqor", com 'f' maiúsculo;
- Regra 4: continuar a combinação informando a quantidade de letras que compõem o nome do serviço;
- Regra 5: se o nome do serviço começar com vogal, finalizar a senha com o caractere '@'. Se for consoante, utilizar '&'.
Com base nessas cinco regras, vamos criar, como exemplo, uma senha para o serviço Skype:
- Regra 1: a primeira e a última letra de "Skype" é: se
- Regra 2: "Skype" tem cinco letras, então: se3
- Regra 3: "Skype" termina com vogal, então: se3Parqui
- Regra 4: "Skype" tem 5 letras, então: se3Parqui5
- Regra 5: "Skype" começa com consoante, logo a senha é: se3Parqui5&.
Com base nesse conjunto de regras, uma senha para o Google seria: ge2Parqui6&. Para o UOL, seria ul3Fresqor3@. Note que, com esse conjunto de regras, você não precisará decorar cada senha (embora isso acontecerá automaticamente para as senhas muito utilizadas), basta lembrar sempre das regras. No início, isso dá um pouco de trabalho, mas com o passar do tempo fica mais fácil. Além disso, você pode criar uma quantidade menor de regras ou regras que você considera mais fáceis, enfim, basta utilizar sua criatividade.

Parte 3: como proteger as suas senhas

1 - Guarde as suas senhas na mente

Evite escrever sua senha em pedaços de papel, agendas, arquivos eletrônicos desprotegidos ou em qualquer meio que possa ser acessado por outra pessoa. Se isso for inevitável, apenas escreva a senha, não informe o que aquela combinação significa. Se a quantidade de senhas for muito grande, você pode utilizar programas específicos para gerenciá-las.

2 - Não use a opção de "lembrar senha" em computadores públicos

Em computadores públicos ou do escritório, não utilize a opção de "inserir senhas automaticamente", "lembrar senha" ou equivalente que muitos sites e navegadores oferecerem. Evite fazer isso inclusive em seu notebook, caso você costume utilizá-lo fora de casa com frequência.
Recurso de 'lembrar senha' em computadores públicos não é boa ideia
Recurso de "lembrar senha" em computadores públicos não é boa ideia

3 - Sempre clique em Sair, Logoff ou equivalente

Muita gente se contenta em fechar o navegador ao sair de um determinado site. Isso é seguro na maioria das vezes, no entanto, em alguns casos, a simples reabertura da página pode fazer com que o conteúdo sigiloso que você acessava (sua conta de e-mail, por exemplo) seja exibido novamente. Se você tiver senhas armazenadas em mensagens de e-mail, o problema se torna ainda mais sério. Um jeito de garantir que isso não aconteça é clicando nos links ou botões com os dizeres "Sair", "Logoff", "Sign out", ou equivalente.

4 - Se possível, não utilize suas senhas mais importantes em computadores públicos ou redes desconhecidas

Sempre que possível, evite acessar serviços muito importantes para você em computadores públicos (a página de sua conta bancária, por exemplo). Se isso for inevitável, verifique se o site oferece recursos de segurança (proteção por SSL, por exemplo). Também evite utilizar suas senhas em redes Wi-Fi que você desconhece.

5 - Ao digitar sua senha, verifique se você o faz no campo correto

Tome cuidado para não digitar sua senha no lugar errado, por exemplo, no campo "Nome". Se você fizer isso, uma pessoa próxima conseguirá ler o que você escreveu, já que somente o campo de senha é protegido. Um bom jeito de evitar isso é não ficar olhando apenas para o teclado enquanto digita. Olhe constantemente para a tela.

6 - Mude sua senha periodicamente

É muito importante que você mude suas senhas periodicamente, pelo menos a cada três meses. Fazendo isso, você impede, por exemplo, que uma pessoa que capturou sua senha e esteja acessando uma conta sua em algum serviço sem você perceber continue fazendo isso.

7 - Não use a mesma senha para vários serviços

Para cada serviço que você usa que requer senha, utilize uma combinação diferente. Caso não faça isso, alguém que descobrir sua senha em um determinado site poderá tentar utilizá-la com sucesso em outro serviço que você utiliza, por exemplo.

8 - Não utilize perguntas com respostas óbvias

Muitos sites oferecem um recurso onde você pode recuperar sua senha ao responder a uma determinada pergunta. A ideia aqui é fazer com que você forneça uma questão que só você sabe a resposta. Não crie perguntas que podem ser facilmente respondidas, por exemplo, "que país venceu a Copa do Mundo da FIFA de 1978?" (Argentina). Em vez disso, crie questões cujas respostas só você conhece, como "qual o nome da garota pela qual fui apaixonado na oitava série?".

9 - Não compartilhe sua senha com ninguém

Evite compartilhar suas senhas com outras pessoas, mesmo que elas sejam íntimas. Mesmo sendo de sua inteira confiança, a pessoa pode deixar sua senha exposta em algum lugar sem perceber. Caso utilizem um serviço compartilhado, cada pessoa deve ter o seu próprio login, sempre que possível.

10 - Cuidado com e-mails ou sites falsos que pedem sua senha

Um dos golpes mais frequentes na internet são e-mails que direcionam para sites falsos que se passam por páginas de bancos, correio eletrônico, redes sociais, entre outros, imitando inclusive o visual dos serviços originais. Se o usuário não perceber que está acessando um site falso, vai acabar entregando sua senha e outros dados para um infrator. Por isso, fique sempre atento aos detalhes que permitem identificar e-mails ou sites falsos, como endereços não relacionados com o serviço, erros ortográficos grosseiros e solicitações suspeitas (recadastramento, por exemplo).

Finalizando

Há muito tempo que o uso de senhas tem sido aplicado em operações eletrônicas, como as bancárias, por exemplo. Na internet, qualquer serviço que exige identificação e confidencialidade, como e-mails, precisa de senha. Não é por menos. As senhas são um dos mais eficientes e viáveis mecanismos de segurança e identificação com o qual podemos contar. Talvez outras soluções estejam amplamente disponíveis em um futuro próximo - sistemas baseados em biometria, por exemplo -, mas por ora devemos utilizar bem o que temos. Sendo assim, o InfoWester espera que as dicas mostradas aqui possam lhe ser úteis ;-)

15 dicas de segurança na internet

A internet também se mostra como um lugar perigoso e é necessário alguns cuidados para evitar golpes, roubo de arquivos e senhas e/ou espionagem de suas atividades nas contas de e-mail ou até mesmo em seu PC.
1 – Saia usando Logout, Sair ou equivalente!
 Ao acessar seu webmail, sua conta num site de comércio eletrônico, seu home banking ou qualquer outro serviço que exige que você forneça um nome de usuário e uma senha, clique em um botão/link de nome Logout, Logoff, Sair, Desconectar ou equivalente para sair do site. Pode parecer óbvio, mas muita gente simplesmente sai do site fechando a janela do navegador de internet ou entrando em outro endereço. Isso é arriscado porque o site não recebeu a instrução de encerrar seu acesso naquele momento e alguém mal-intencionado pode abrir o navegador de internet e acessar as informações de sua conta, caso esta realmente não tenha sido fechada devidamente.


2 – Crie senhas difíceis de serem descobertas!
Não utilize senhas fáceis de serem descobertas, como nome de parentes, data de aniversário, placa do carro, etc. Dê preferência a seqüências que misturam letras e números. Além disso, não use como senha uma combinação que tenha menos que 6 caracteres. O mais importante: não guarde suas senhas em arquivos do Word ou de qualquer outro programa. Se necessitar guardar uma senha em papel (em casos extremos) destrua-o assim que decorar a seqüência. Mais orientações sobre senhas podem ser encontradas aqui.


3 – Use navegadores diferentes!
O Windows está presente na grande maioria dos computadores e, conseqüentemente, o Internet Explorer também. O problema é que existe uma infinidade de pragas digitais (spywares, vírus, etc) que exploram falhas desse navegador. Por isso, use navegadores como o Opera ou o Firefox, pois embora estes também possam ser explorados por pragas, isso ocorre com uma freqüência muito menor neles. Se preferir usar o Internet Explorer, use um navegador alternativo nos sites que você considerar suspeitos (sites que abrem muitas janelas, por exemplo).


4 – Cuidado com downloads!
Se você usa programas de compartilhamento de arquivos como KaZaA ou eMule, fique atento ao que baixar. Ao término do download, verifique se o arquivo não possui mais de uma extensão (por exemplo, cazuza.mp3.exe), se ele possui um tamanho muito pequeno ou se suas informações parecem suspeitas, pois muitos vírus se passam por arquivos de áudio, vídeo e outros para enganar o usuário. Além disso, sempre examine o arquivo baixado com um antivírus.
Também tome cuidado com sites que pedem para você instalar programas para continuar a navegar ou para usufruir de algum serviço. Ainda, desconfie de ofertas de programas milagrosos, capazes de dobrar a velocidade de seu computador ou de melhorar sua performance, por exemplo.
5 – Atente-se ao usar MSN, Google Talk, AIM, ICQ, etc!
 Alguns vírus já estão explorando sistemas de mensagens instantâneas, tais como MSN Messenger, AOL Instant Messenger, ICQ, Yahoo! Messenger, entre outros. Essas pragas são capazes de emitir uma mensagem que contém um link para um vírus ou para um programa-espião automaticamente numa conversa. Nessa situação, é natural que a parte que recebeu a mensagem pense que seu contato é que a enviou e clica no link com a maior boa vontade.
Mesmo durante uma conversa, se receber um link que não estava esperando, pergunte ao contato se, de fato, ele o enviou.


6 – Cuidado com e-mails falsos!
Recebeu um e-mail dizendo que você tem uma dívida com uma empresa de telefonia ou afirmando que um de seus documentos está ilegal.
Ou, ainda, a mensagem te oferece prêmios ou cartões virtuais de amor? É provável que se trate de um scam, ou seja, um e-mail falso. Se a mensagem tiver textos com erros ortográficos e gramaticais, fizer ofertas tentadoras ou tem um link diferente do indicado (para verificar o link verdadeiro, basta passar o mouse por cima dele, mas sem clicar), desconfie imediatamente. Na dúvida, entre em contato com a empresa cujo nome foi envolvido no e-mail.


7 – Evite sites de conteúdo duvidoso!
Muitos sites contêm em suas páginas scripts capazes de explorar falhas do navegador de internet, principalmente do Internet Explorer. Por isso, evite navegar em sites pornográficos, hackers ou que tenham qualquer conteúdo duvidoso.
8 – Cuidado com anexos de e-mail!
Essa é uma das instruções mais antigas, mesmo assim, e-mail é a principal forma de disseminação de vírus. Tome cuidado ao receber mensagens que te pedem para abrir o arquivo anexo, principalmente se o e-mail veio de alguém que você não conhece.


9 – Atualize seu antivírus e seu anti-spyware!
Muita gente pensa que basta instalar um antivírus e seu computador estará protegido, mas não é bem assim. É necessário atualizá-lo regularmente, do contrário, o antivírus não saberá da existência de vírus novos. Praticamente todos os antivírus disponíveis permitem configurar uma atualização automática. Além disso, use um anti-spyware com freqüência para tirar arquivos e programas maliciosos de seu computador. Uma boa opção é o Spybot. Assim como no antivírus, o anti-spyware também deve ser atualizado para que este conheça as pragas novas.
Em ambos os casos, verifique no manual do software ou no site do desenvolvedor, como realizar as atualizações.


10 – Atualize seu sistema operacional!
O Windows é o sistema operacional mais usado no mundo e quando uma falha de segurança é descoberta nele, uma série de pragas digitais são desenvolvidas para explorá-la. Por isso, vá em Iniciar / Windows Update e siga as orientações no site que abrir para atualizar seu sistema operacional. Fazer isso uma vez ao mês é suficiente para manter seu sistema operacional atualizado.


11 – Não revele informações importantes sobre você!
Em salas de bate-papo, no Orkut ou em qualquer meio em que você esteja lidando com um desconhecido: evite dar detalhes da escola ou da faculdade que você estuda, do lugar onde você trabalha e principalmente de onde você mora. Essas informações podem ser usadas para criminosos te localizarem. De igual forma, não revele seu número de telefone. Golpistas podem usá-lo para fazer ameaças ou alguém mal-intencionado pode te passar trotes.


12 – Cuidado ao fazer cadastros!
Muitos sites exigem que você faça cadastro para usufruir de seus serviços, mas isso pode ser uma cilada. Por exemplo, se um site pede o número do seu cartão de crédito sem ao menos ser uma página de vendas, as chances de ser um golpe são grandes. Além disso, suas informações podem ser entregues a empresas que vendem assinaturas de revistas ou produtos por telefone. Ainda, seu e-mail pode ser inserido em listas de SPAMs.
Por isso, antes de se cadastrar em sites, faça uma pesquisa na internet para verificar se aquele endereço tem registro de alguma atividade ilegal. Essa dica é válida principalmente para sites que cadastram currículos.

13 - Não responda a ameaças, provocações ou intimidações
Se você receber ameaças, provocações, intimidações ou qualquer coisa parecida pela internet, evite responder. Além de evitar mais aborrecimentos, essa prática impede que o autor obtenha informações importantes que você pode acabar revelando por causa do calor do momento. Se você perceber que a ameaça é séria ou se você se sentir ofendido, mantenha uma cópia de tudo e procure orientação das autoridades locais.

14 - Não revele informações importantes sobre você

Em sites de bate-papo (chat), no orkut, no Twitter ou em qualquer serviço onde um desconhecido pode acessar suas informações, evite dar detalhes da escola ou da faculdade que você estuda, do lugar onde você trabalha e principalmente de onde você mora. Evite também disponibilizar dados ou fotos que forneçam qualquer detalhe relevante sobre você, por exemplo, imagens em que aparecem a fachada da sua casa ou a placa do seu carro. Nunca divulgue seu número de telefone por esses meios, tampouco informe o local em que você estará nas próximas horas ou um lugar que você frequenta regularmente. Caso esses dados sejam direcionados aos seus amigos, avise-os de maneira particular, pois toda e qualquer informação relevante sobre você pode ser usada indevidamente por pessoas mal-intencionadas, inclusive para te localizar.

15 - Cuidado ao fazer cadastros

Muitos sites exigem que você faça cadastro para usufruir de seus serviços, mas isso pode ser uma cilada. Ora, se um site pede o número do seu cartão de crédito sem ao menos ser uma página de vendas, as chances de se tratar de um golpe são grandes. Além disso, suas informações podem ser entregues a empresas que vendem assinaturas de revistas ou produtos por telefone, por exemplo. Ainda, seu e-mail pode ser inserido em listas de SPAM.
Por isso, antes de se cadastrar em sites, faça uma pesquisa na internet para verificar se aquele endereço tem registro de alguma atividade ilegal. Avalie também se você tem mesmo necessidade de usar os serviços oferecidos pelo site.

Finalizando

Se proteger no "mundo virtual" pode ser um pouco trabalhoso, mas é importante para evitar transtornos maiores. A maioria dos golpes e das "ciladas" pode ser evitada se o usuário estiver atento,





FONTE: Info Wester