Meus amigos

Relacionamento com Adolescentes



Sua filha está crescendo e seu corpo está mudando. Já é uma moça, veja só! E você será uma das influências mais importantes que ela terá para entender este mistério maravilhoso que é ser mulher.
Você também já foi adolescente, já passou por essas transformações que a sua filha vai passar, lembra?
E não é fácil explicar todas essas mudanças que ocorrem na adolescência e explicar com clareza os assuntos pertinentes à ela, principalmente os relacionados à saúde feminina.
Para ajudá-la nesta tarefa, Vagisil desenvolveu esta página sob a orientação da Doutora Adelaide Nardone, MD, Ginecologista e Obstetra e Conselheira do The Vagisil Women’s Health Center®
(Centro de saúde Feminina Vagisil), localizado em Nova York, Estados Unidos.
Aqui você vai encontrar as perguntas mais comuns que chegaram às mãos da Dra.Adelaide e as suas respostas e conselhos.

O que fazer se minha filha não discute comigo os assuntos relacionados à saúde feminina?
Todo adolescente gosta de ter privacidade. E sua filha não é diferente das outras meninas. Provavelmente ela tem vergonha das mudanças que estão acontecendo em seu corpo e, com certeza, acha difícil iniciar uma conversa sobre este assunto tão delicado. Faz parte do seu papel de mãe de uma adolescente buscar um profissional de saúde com o qual ela consiga conversar, alguém com quem ela se sinta confiante. Este profissional pode ser um pediatra, o médico da família, um ginecologista ou um especialista em medicina para adolescente.

Como eu posso falar com ela sobre os delicados assuntos de saúde feminina?
Veja algumas sugestões:
1) Planeje uma atividade para vocês duas – Sair para uma caminhada ou mesmo um almoço fora de casa.
2) Esteja preparada para escutar, ouvir suas dúvidas, seus anseios, sua idéia de vida. Faça perguntas abertas sobre estes sentimentos. Seja companheira, cúmplice.
3) Esteja preparada para ouvir idéias com as quais você provavelmente não concorde.
4) Tenha o nome e telefone de um profissional de saúde qualificado e confidencial que possa ajudar a sua filha
5) Transmita a sua filha pensamentos positivos a respeito de feminilidade e sexualidade. Transformar o sexo num assunto confortável para ser discutido entre as duas, poderá ajudá-la a tomar decisões mais acertadas.
6) Use websites como este na Internet para encontrar mais informações.Confiança gera comunicação. Seja compreensiva com os desejos de sua filha de se abrir com você.

Quando a minha filha deve visitar um ginecologista?
A Faculdade Americana de ginecologia e obstetrícia (ACOG) recomenda que adolescentes visitem um ginecologista entre 13 e 15 anos – independente dela ser ou não sexualmente ativa. Se uma adolescente for sexualmente ativa, o médico poderá realizar um exame interno para certificar de que tudo está normal.
Um Papanicolau e um exame de mamas também podem ser realizados.
Se ela não for sexualmente ativa, ela não precisa realizar um exame pélvico completo, mas estas visitas lhe darão a oportunidade de perguntar e obter respostas sobre assuntos que podem estar preocupando-a.
Ela também será informada pelo médico sobre quais as medidas preventivas que se deve tomar agora, nos seus primeiros anos de vida adulta, para assegurar uma boa saúde no futuro.
Desta maneira ela pode se tornar responsável e informada sob decisões em assuntos que podem afetar o bem estar dela.Seja compreensiva com os desejos de sua filha de se abrir com você.

E se minha filha se recusar a ir a um ginecologista?
Neste caso, seria interessante levar sua filha a um médico especializado em adolescentes. Estes médicos, normalmente atendem pacientes de 9 até cerca de 30 anos.
Isso pode oferecer à sua filha um ambiente menos intimidador.
Um pediatra ou um clinico geral são também outras opções.
Muitas vezes as adolescentes podem se sentir mais confortáveis com médicas mulheres.

Que informações a minha filha adolescente precisa ter?
Adolescentes podem achar que sabem de tudo, mas existe uma série de informações erradas ou mal interpretadas entre as jovens sobre as mudanças em seus corpos;o começo da sexualidade e no que isto pode transformá-las. Questões sobre o ciclo menstrual,tamanho dos seios, assim como questões sobre higiene íntima, umidade e odor e até mesmo sobre coceiras precisam de respostas claras e objetivas.
Muitos especialistas acreditam que adolescentes com boas informações correm riscos menos de se envolverem em situações de risco.

Que tipo de riscos de saúde minha filha pode estar correndo?
Existem algumas estatísticas assustadoras que todos os pais deveriam estar cientes. Elas estão aqui não para assustá-la, mas para melhor informa-la.
1) Uma em cada vinte adolescentes contraem uma DST (Doença Sexualmente Transmissível); o que as colocam sob o risco de desenvolver um câncer cervical ou problemas de fertilidade no futuro.
2) HPV ou Papiloma vírus humano é uma das DST’s mais comuns entre jovens mulheres. Alguns tipos de HPV podem causar câncer cervical.
3) Clamidia é muito comum, tanto que hoje em dia é recomendado que todas as jovens sexualmente ativas façam o exame para detectar a presença de clamídia, regularmente.
4) Um em cada quatro abortos realizados são em adolescentes;
5) HIV infecta 5,2 milhões de pessoas, mais da metade delas são jovens com menos de 24 anos.
6) até os 19 anos,ao menos(75%) dos adolescentes têm vida sexual ativa;
7) Um a cada 13 adolescentes engravidam por ano;
8) No Brasil acontecem 600 mil partos de adolescentes por ano;
9) No mundo15 milhões de partos de adolescentes entre 15 e 19 anos.
10) Outras doenças como desordens alimentares(Bulimia e anorexia, entre outras)fumo,consumo de álcool,drogas e depressão são de alta incidência entre jovens de todas as origens e classe sociais.Certifique-se de estar prestando atenção e conversando com sua filha adolescente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário