Meus amigos

Dicas sobre Vestibular

Segredos e dicas

1 - Fazer exercícios em casa é a melhor maneira de estudar, depois de algum tempo, não será preciso decorar "musiquinhas" para não esquecer a fórmula na hora de fazer a prova. "Dividia minhas horas para estudo e nunca deixava passar uma dúvida".

2 - Nada de deixar para estudar na última hora e quando sentir dificuldade em alguma matéria, reserve mais tempo para se dedicar a ela. "Não adianta você estudar o ano todo e chegar na prova com a cabeça quente. O melhor a fazer é manter a calma para evitar dar branco na hora da prova".

3 - Não existe segredo para conquistar o primeiro lugar. "Um curso como Medicina é difícil mas a pessoa tem que saber o que quer e se dedicar. Você pode ser o melhor aluno e não passar por qualquer outro motivo, como o nervosismo, por exemplo".

4 - Tudo é uma questão de prioridade na vida, a pessoa tem que estar confiante e acreditar no seu potencial, na sua capacidade de passar num vestibular concorrido. "Coloquei na minha cabeça que queria entrar na faculdade e me dediquei, mas claro, sem alterar demais minha rotina. É só uma questão de organizar o seu tempo e saber exatamente onde você quer chegar"

Cursinho vale a pena?
1 - Se a escola já te dá um preparo suficiente, não há motivos para dobrar sua carga de estudos e exercícios a serem feitos. "Não fiz cursinho e o 2º colegial estudei na Nova Zelândia. O importante é revisar a matéria que você tem mais dificuldade e não perder o ritmo das aulas"

2 - O esforço pessoal é mais importante que o cursinho, mas claro, é preciso avaliar as condições de ensino e aprendizado de cada colégio e aluno. "Não adianta fazer cursinho se você não se concentrar nos estudos. Eu não fiz cursinho nenhum, mas praticava demais, fazia muitos exercícios e quando tinha dúvidas tirava no dia seguinte"

3 - Antes de tentar Medicina, o rapaz já cursava há dois anos Engenharia Civil. "Eu era bom em Matemática e Física, por isso acabei fazendo este curso. Mas descobri que queria Medicina e acabei fazendo cursinho à noite para tentar. Se você conseguir administrar os estudos, vale a pena".

4 - Depende dos conhecimentos que você tem. O que deve ser levado em conta é a real necessidade de incluir no seu dia-a-dia mais horas de estudos, mais livros para carregar e mais coisas para fazer. "Não achei que o cursinho fez falta para mim, mesmo porque estudava bastante em casa e o colégio preparou bastante os alunos para enfrentar o tão temido vestibular".

Estudar em casa é válido?
1- Imprescindível é a maneira de você organizar seu tempo com os estudos e a vida pessoal. Se é para estudar em casa, que faça isso bem concentrado. "Todos os dias eu separava algumas horas de estudo, sem me preocupar com outras coisas. Hora de estudo é hora de estudo; diversão é diversão".

2 - A melhor maneira de você garantir o aprendizado é treinar em casa, sem perturbação. A prática é o segredo do bom desempenho. "Fazia tantos exercícios em casa que nem precisava decorar fórmulas, aprender músicas ou qualquer outra facilidade que nos oferecem para facilitar da matéria dada

3 - Antes de pensar em estudar em casa, deve-se ter uma maneira eficiente para administrar seu tempo e saber as matérias que você sente mais dúvidas. "Eu era bom em Matemática e Física, por isso, me empenhava mais nas outras matérias".

4- É muito importante dedicar um tempo para estudar em casa, desta forma, você treina bastante e faz exercícios de maneira tranqüila. "Tudo é questão de prioridade, tem que praticar e saber que é só no período de um ano que você vai passar por isso, depois o resultado pode compensar o esforço"

O que muda na vida pessoal?
1 - Se você estudar nas horas certas e pré-determinadas acaba não abrindo mão da sua rotina. "Não deixei de fazer nada do que fazia antes, apenas me dedicava ao máximo na hora do estudo".

2- Claro que muda a vida pessoal e social, mesmo assim, não é motivo para deixar de se divertir. Tem hora para tudo. "Apenas deixei de fazer um curso de inglês e parei de sair um pouco com minhas amigas. Essa situação é suportável, nada que comprometa seu dia-a-dia com a família e amigos.

3 - Há uma maneira de administrar seus estudos para você levar uma vida normal. O que deve ser feito é saber a hora certa para tudo. "Não deixei de sair para bares com os amigos, que para mim é essencial e tenho isso como lazer".

4- Se você começa a se preparar bem antes fica mais fácil manter um controle. Os estudos nessa hora tem que fazer parte da sua rotina. "Me preparei durante dois anos no colégio, isso me tranquilizou e evitou que eu abrisse mão dos finais de semana e horas para meu lazer".

Dicas e mais dicas
A melhor dica, naturalmente, não deve ser novidade para você. Faça primeiro as questões mais fáceis, aquelas que você sabe a resposta diretamente sem muita conta ou muito o que pensar. Evite perder tempo com questões que você julga difícil.

Procure controlar o tempo. Em algumas provas você tem menos de dois minutos para resolver cada questão! Não se assuste. Algumas questões você responderá normalmente em poucos segundos, sobrando tempo para as outras. Mas todo cuidado é pouco. Atenção para não gastar muito tempo em uma questão difícil, enquanto que o mesmo tempo poderia lhe garantir várias questões mais fáceis.

Antes de passar as respostas para o gabarito, verifique se não esqueceu de resolver ou pulou alguma questão.

Há quem diga que reler a prova na hora de entregar as respostas gera muitas dúvidas e você poderá ser tentado a mudar algumas respostas. Se achar MESMO que alguma resposta deva ser mudada, faça-o; entretanto se tiver dificuldade em se decidir por duas respostas não mude a que marcou da primeira vez. Só mude a resposta se tiver certeza de que estava errado.

Em caso de questões abertas, terá melhor desempenho quem souber redigir bem e estruturar bem suas idéias. Muito cuidado para não escrever muito e não responder o que está sendo pedido. Respostas claras e objetivas são, obviamente, sempre mais bem valorizadas que aquelas com muitos dizeres sem significado.

Como ler um texto
- Três questões básicas
Uma boa medida para avaliar se o texto foi bem compreendido é a resposta a três questões básicas:

I - Qual é a questão de que o texto está tratando? Ao tentar responder a essa pergunta, o leitor será obrigado a distinguir as questões secundárias da principal, isto e, aquela em torno da qual gira o texto inteiro. Quando o leitor não sabe dizer do que o texto está tratando, ou sabe apenas de maneira genérica e confusa, é sinal de que ele precisa ser lido com mais atenção ou de que o leitor não tem repertório suficiente para compreender o que está diante de seus olhos.

II - Qual é a opinião do autor sobre a questão posta em discussão? Disseminados pelo texto, aparecem vários indicadores da opinião de quem escreve. Por isso, uma leitura competente não terá dificuldade em identificá-la. Não saber dar resposta a essa questão é um sintoma de leitura desatenta e dispersiva.

III - Quais são os argumentos utilizados pelo autor para fundamentar a opinião dada? Deve-se entender por argumento todo tipo de recurso usado pelo autor para convencer o leitor de que ele está falando a verdade. Saber reconhecer os argumentos do autor é também um sintoma de leitura bem feita, um sinal claro de que o leitor acompanhou o desenvolvimento das idéias. Na verdade, entender um texto significa acompanhar com atenção o seu percurso argumentativo.

Leitura eficiente
A pessoa que se preocupa com a qualidade de sua leitura e com o resultado que poderá obter, deve pensar no ato de ler como um comportamento que requer alguns cuidados, para ser realmente eficaz.

1) Atitude

Pensamento positivo para aquilo que deseja ler. Manter-se descansado é muito importante também. Não adianta um desgaste físico enorme, pois a retenção da informação será inversamente proporcional. Uma alimentação adequada é muito importante.

Cuidado! Devemos virar a página, segurando-a pelo lado superior, antes de lermos a última frase!

2) Ambiente

O ambiente de leitura deve ser preparado para ela. Nada de ambientes com muitos estímulos que forcem a dispersão. Deve ser um local tranqüilo, agradável, ventilado, com uma cadeira confortável para o leitor e mesa para apoiar o livro a uma altura que possibilite postura corporal adequada.

Quanto à iluminação, deve vir do lado posterior esquerdo, pois o movimento de virar a página acontecerá antes de ter sido lida a última linha da página direita e, de outra forma, haveria a formação de sombra nesta página, o que atrapalharia a leitura.

3) Objetos necessários

Para evitar de, durante a leitura, levantarmos para pegar algum objeto que julguemos importante, devemos colocar lápis, marca-texto e dicionários sempre à mão. Quanto sublinhar os pontos importantes do texto, é preciso aprender a técnica adequada. Não o fazer na primeira leitura, evitando que os aspectos sublinhados parecem-se mais com um mosaico de informações aleatórias.

A hora da decisão
A proximidade da data de inscrição no vestibular aumenta angústia de jovens que não sabem qual carreira seguir. Setembro é um mês crítico para os vestibulandos. Nos próximos 40 dias, boa parte das principais universidades do país encerra suas inscrições e não há mais tempo para adiar a grande decisão. É agora que a questão mais importante da vida de muitos jovens na faixa de 18 anos deve ser enfrentada: que carreira profissional seguir? Para quem tem dúvidas, resta o consolo de saber que não está sozinho. De acordo com o IBGE, apenas 5% dos estudantes brasileiros que prestam a temida prova têm certeza de que curso querem fazer. E não é só isso. Depois que entram na faculdade, muitos vitoriosos descobrem que a escolha não foi a mais acertada. Segundo a Associação Brasileira de Orientadores Profissionais, 43% dos alunos da Universidade de São Paulo (USP), considerada uma das melhores do país, desistem do curso no primeiro ano. Muitos dos desiludidos fazem o caminho de volta para os cursinhos, constata a psicóloga gaúcha Rosane Levenfus, autora dos livros Psicodinâmica da Escolha Profissional, Faça Vestibular com Seu Filho e Faça Vestibular com Seus Pais.

A escolha é realmente difícil. São 150 opções diferentes de profissões de nível superior, distribuídas por 6.600 cursos em 823 instituições. "Além disso, a sensação é terrível porque é a primeira escolha importante que o jovem tem de fazer sozinho", afirma o psicólogo Fabiano Fonseca da Silva, do Serviço de Orientação Profissional (SOP) da USP. De um lado, ele se defronta com aspectos práticos da vida, como os interesses e gostos pessoais, as habilidades manuais, o mercado de trabalho, as informações sobre os cursos e profissões. De outro, encontra-se diante de algo impossível de ser aferido objetivamente, como a pressão da família e dos amigos, a moda, os sonhos, as esperanças e as fantasias.

Nessa fase não se escolhe apenas a profissão, mas um estilo de vida", afirma a coordenadora do SOP, Yvette Piha Lehman. Por isso, o mínimo que se espera é que o vestibulando saiba o que está escolhendo e não acabe, sem realmente querer, na fila de inscrição dos cursos mais procurados, como Direito, Medicina ou Engenharia, ou dos que ele acredita que tragam mais retorno financeiro. Além da consciência do que se deseja, a informação sobre cursos e profissões é fundamental. "O jovem tem de namorar a profissão antes de se casar com ela", afirma a psicóloga mineira Marisa Tavares, da PUC de Belo Horizonte. A estudante paulistana Fernanda Gama, de 20 anos, que prestou o primeiro vestibular para Biologia, resolveu "mudar de namorado". "Eu pensei, em princípio, que ia viver com os golfinhos", lembra hoje, rindo de sua ingenuidade. Depois de participar de um grupo de orientação profissional e conhecer melhor a carreira, ela optou por Medicina. As informações sobre o curso de Fisioterapia tranqüilizaram o mineiro Leo Jório Vasconcelos. "Não tenho a menor dúvida sobre o que quero seguir", garante.

A boa notícia é que as melhores universidades do país, as escolas de ensino médio e os cursinhos mais requisitados já aprenderam a lição e oferecem visitas monitoradas às instituições de ensino superior, além de palestras com profissionais. Muitas vezes, os alunos podem ficar e assistir às aulas. Tomam contato com as matérias básicas dos primeiros anos de faculdade, geralmente mais enfadonhas e muito diferentes daquelas associadas diretamente à profissão. Para quem passa no vestibular cheio de sonhos e de ilusões, o primeiro contato costuma ser um choque. Se o aluno já vai informado, entra com uma visão mais realista do que terá de enfrentar. É o que espera Viviane Yumi Yamaguti, de 17 anos, em dúvida entre humanas e exatas. Ela pretende assistir a uma aula do primeiro ano do curso de Engenharia - uma de suas possíveis opções. "Quero saber como é na prática", afirma.

QUAL É SEU JEITO?
Confira qual está mais próxima de você.

Realista: tem boa coordenação motora e é hábil. É pouco sociável e agressivo. Não tem capacidade verbal e interpessoal, prefere os problemas concretos aos abstratos. Prefere atividades como exploração, projetos científicos, mecânica. Tem maior capacidade matemática e manual do que verbal.
Profissões:Engenharia, Cirurgia Médica, Análise de Sistemas.

Intelectual: resolve seus problemas por meio de idéias, palavras e símbolos. A capacidade física e social passa para segundo plano. É independente e prefere trabalhar dessa forma, sem dar ou receber ajuda. Prefere atividades que lhe permitam expressar sua inclinação pouco sociável, analítica e imaginativa.
Profissões: Medicina, Ciências Sociais, Economia, Odontologia, Veterinária.

Social: enfrenta seu ambiente estabelecendo metas, valores e tarefas que lhe permitam aplicar sua capacidade em interesse de outras pessoas e melhorar ou modificar suas condutas. Tem necessidade de interação e é hábil socialmente. Prefere atividades educativas, terapêuticas e religiosas.
Profissões: Assistência Social, Turismo, Advocacia, Psicologia.

Convencional: enfrenta seu ambiente social e físico elegendo metas, tarefas e valores sancionados pelo costume e pela sociedade. É até certo grau inflexível, conservador e perseverante. Não tem espontaneidade nem originalidade. Prefere atividades passivas e bem organizadas e leva mais em conta o aspecto econômico do que o estético.
Profissões: Contabilidade, Hotelaria, Administração de Empresas na área financeira.

Empreendedor: enfrenta seu mundo escolhendo metas, valores e tarefas que lhe permitam expressar suas qualidades de seraudacioso, dominante, entusiasta, energético e impulsivo. Prefere atividades que satisfaçam suas necessidades de domínio de expressão artística e verbal, como também de reconhecimento.
Profissões: Jornalismo, Administração de Empresas na área de marketing, Advocacia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário